sexta-feira, 8 de julho de 2016

Dia Mundial da Pizza será beneficente na Baggio Pizzeria

Hospital Erasto Gaertner será beneficiado pela ação Baggiorno Felice



O Hospital Erasto Gaertner será a instituição beneficiada pela edição de 2016 da campanha Baggiorno Felice no Paraná, idealizada pela Baggio Pizzeria & Focacceria há nove anos. A ação acontece neste domingo, 10 de julho, data em que é comemorado o Dia Mundial da Pizza.
Para participar, basta pedir as pizzas de Mussarela ou Calabresa no balcão, salão ou pelo delivery dos restaurantes. Toda a renda arrecada com estes sabores nas oito unidades da marca no Paraná será revertida para a manutenção do Hospital, que é referência no diagnóstico e tratamento de pessoas com câncer no sul do país e que realizou, somente em 2015, mais de 300 mil atendimentos.
Com o objetivo de frisar a importância da prevenção do câncer, na hora da compra, será entregue um folder do Hospital Erasto Gaertner sobre os principais tipos de câncer (de mama, de próstata, de pele e de colo de útero).

Serviço:
Baggiorno Felice
10 de julho (domingo)

terça-feira, 28 de junho de 2016

Palestra sobre decoração rápida


Quarta-feira (29.junho) a empresária Roberta Saporiti promove um café da manhã em sua loja Bali Design onde acontecerá a palestra “Consultoria em fast decor”, ministrada pelas arquitetas Olga Bergamini, Karin Neitzke e Danielle Bragagnolo, do escritório Olga Bergamini Arquitetura. No encontro as profissionais exemplificarão com dicas práticas maneiras de modificar a decoração a partir de detalhes pontuais como almofadas e objetos. 
Será apresentado também o novo layout da loja com espaços que demonstram a proposta de fast decor e levam a assinatura das profissionais do escritório Olga Bergamini, da arquiteta Samara Barbosa e do interiorista Iko Mello.

Palestra para crianças sobre crimes virtuais e redes sociais

A advogada Gianna Calderari ministra palestra sobre crimes virtuais e redes sociais para crianças de 7 a 12 anos nesta quinta-feira, 30 de junho, às 19 horas, no Espaço Curitiba. As mães e os pais podem participar da conclusão da palestra. Com uma linguagem simples e direta, a advogada falará às crianças sobre os aspectos e implicações sociais e legais do uso das redes sociais. Gianna atua na área empresarial, consultiva, especialmente contratual, e foi professora do ensino fundamental. Espaço Curitiba: Rua Presidente Rodrigo Otávio, 813, Alto da XV, Curitiba. Mais informações: 3076 9681 

FOTO BY ROSANE CONGRO

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Jornalista de Curitiba lança livro que aborda de forma lúdica a chegada do segundo filho


A gravidez é um período cheio de mudanças, dúvidas e expectativas. E quando é o segundo filho que está a caminho, os pais têm uma preocupação a mais: como contar à criança mais velha que ele terá um irmãozinho? Será que eles entendem o crescimento da barriga e que dali sairá um bebê? E mais, que esse bebê passará a morar na mesma casa, dividindo a atenção?
Essas foram algumas das preocupações da jornalista Danielle Sommer, que passou recentemente pela segunda gestação. Foi pensando no filho mais velho David que ela teve a ideia de escrever o texto para contar a chegada da Amanda. A história ganhou ilustrações da também mamãe Daphne Lambros e a obra final teve lançamento pela Editora InVerso, na FNAC do ParkShopping Barigui, em Curitiba (PR), em 18 de junho.
Quisemos mostrar que o primeiro filho também estava na barriga da mamãe e que agora, sendo o irmão mais velho, ele pode ajudar os pais no cuidado com o bebê. O texto mostra cenas da mamãe enjoada e não podendo fazer esforço, incentiva a participação da criança na arrumação do quartinho, aborda a expectativa para a descoberta do sexo, a nova rotina com choro e fraldas até a chegada à maternidade”, explica Danielle. “Esperamos ajudar de forma lúdica muitas famílias a tornar essa adaptação mais fácil e amorosa”, complementa a escritora.
As ilustrações foram inspiradas no dia a dia de ser mãe. Os desenhos simples e de fácil assimilação ajudarão os pequenos a se identificarem com as cenas cotidianas deles”, afirma Daphne.
A edição tem apoio da Associação Casa de Cultura Beit Yaacov, Doudou, Empório da Papinha, Fetalmed, Rause Café+Vinho, Studio Simmetry, SwimColors e Xiquita.

Serviço:
Informações: (41) 3254-1616

Museu Egípcio e Rosacruz passa a funcionar com novas normas e em novos dias e horários

Medida foi tomada para adequar o museu com os horários de visitação dos demais museus da cidade


Por se tratar de um ponto turístico muito visitado em Curitiba, o Museu Egípcio e Rosacruz, mantido pela Ordem Rosacruz - AMORC, passa a abrir com novo horário nos sábados, e também abrirá aos domingos a partir do mês de julho deste ano. O horário de funcionamento do museu nesses dias será: sábado das 10h:00 às 17h:00; domingo da 09h às 12h. No mês de outubro o museu passa a abrir nos feriados também.
De acordo com a supervisora cultural da Ordem Rosacruz – AMORC em Curitiba, Vivian Tedardi, essa mudança faz-se necessária devido à enorme quantidade de turistas que visitam as dependências da Ordem Rosacruz nesses dias. “Há algum tempo, pela procura que o museu tem tido, percebemos que precisávamos ampliar o horário de visitação. Assim, estendemos o horário de visita nos sábados e passaremos a abrir aos domingos para atender melhor o público que pode ter acesso aos espaços culturais apenas nos fins de semana”, explica Vivian.
Com as novas medidas, o museu passa a cobrar um valor simbólico de entrada: R$ 5,00 inteira; R$ 3,00 meia; e R$ 1,00 para visitas escolares monitoradas. “Face à necessidade de custear despesas fixas como luz, limpeza, manutenção e preservação, bem como os recursos humanos, o Museu Egípcio passará a cobrar ingressos a partir de 1º de julho deste ano. Esta medida fez-se inadiável frente a crescente procura pelo acesso à visitação”, esclarece Vivian.
Outra questão que pesou na decisão foi o relato dos alunos que fazem a visita escolar monitorada no museu. Muitos pais e familiares vêm até o museu no fim de semana depois que os filhos contam como foi a visita com a escola. A curiosidade e o conhecimento na cultura egípcia despertam a vontade da criança em voltar ao museu com seus pais para contar a eles aquilo que aprenderam na aula monitorada. “A maioria das visitações dos sábados é formada por famílias, geralmente pais com crianças pequenas que vieram com a escola e gostaram muito do passeio ou então são curiosas sobre Egito Antigo. Desde que o museu abriu em sua nova sede ele ganhou mais visibilidade e, portanto, o número de visitantes aumentou bastante”, explica Ewerson Thiago da Silva Dubiela, responsável pelo museu.

Este ano o Museu Egípcio troca sua exposição e o contexto com novas peças. No mês de outubro, durante a XXIV Convenção Nacional Rosacruz, será aberta a XV Exposição de longa duração do museu com o tema “A Literatura no Egito Antigo”. Ela ficará aberta para visitação até o mês de agosto de 2018. “Em nossas exposições procuramos sempre abordar um assunto no qual possamos conhecer o Egito Antigo, porém sob um novo olhar. Para esta nova exposição pensamos em mostrar a cultura egípcia antiga através da sua literatura, não apenas mitológica (que é a mais conhecida), mas a partir das Instruções que organizaram e que colaboraram para a educação de jovens príncipes e outros membros da sociedade egípcia”, contam Ewerson e Vivian.
O Museu Egípcio também tem outros atrativos para seu público. Ele conta com uma lojinha de souvenirs. Nela o visitante pode levar para casa um objeto que lembre o museu ou presentear alguém com peças como estatuetas de deuses egípcios, chaveiros, imãs de geladeira com desenhos egípcios, camisetas com a logo do museu, estojo, nécessaire, ecobag com emblemas egípcios e réplicas de estátuas egípcias. Os valores custam entre R$15,00 e R$500,00. “Quem vem ao museu gosta de levar um pouquinho do local que acabou de visitar e os produtos vendidos na loja aproximam as pessoas do universo egípcio que acabaram de conhecer”, diz Vivian. Outra atividade que o museu realiza são as oficinas de férias para as crianças. Desde janeiro de 2014 são oferecidas atividades educativas relacionadas à exposição do museu. Ewerson conta que, além da visita guiada, tem atividades de pintura, de confecção de objetos e alguns desafios. “São realizadas, geralmente, nas férias de verão, em janeiro e podem participar crianças de 05 a 12 anos, porém as inscrições precisam ser realizadas com antecedência”. O valor para participar das oficinas é de R$10,00.


Serviço
Local: Museu Egípcio e Rosacruz
Endereço: Rua Nicarágua, 2620 - Bacacheri - 82515-260 - Curitiba, Paraná.
Entrada:
R$ 5,00 inteira;
R$ 3,00 meia (estudantes rosacruzes, crianças até 12 anos, idosos, estudantes, professores mediante documento comprovatório, doadores de sangue e pessoas com necessidades especiais);
R$ 1,00 visitas escolares monitoradas.
Horário:
De segunda a sexta-feira das 08h às 12h e das 13h às 17h:30;
Sábados das 10h:00 às 17h:00; Domingos da 09h às 12h.
*Haverá horário de acesso, sempre meia hora antes do museu fechar.



Texto de Emanuelle Spack

Fotos de Marco Antonio A. Ferreira

Chá com solidariedade: Base lojas associadas e ABD - Associação Brasileira de Design de Interiores

Clique sobre a imagem para a ver em maior tamanhho

A Base lojas associadas e a ABD - Associação Brasileira de Design de Interiores, promovem na 
quinta-feira, dia 30 de junho, às 17h, na loja Masotti do Batel, uma edição especial do evento BCP. O foco será solidariedade. Os convidados serão recebidos para o chá da tarde. Os arquitetos Marcelo Calixto e Rose Guazzi falarão sobre o projeto Muller Ecodesign Social. O ingresso será um agasalho para a campanha ABD do Bem. 
Os profissionais de interiores presentes ainda concorrerão a uma viagem para Cartagena das Índias.

Centro Cultural Teatro Guaíra agenda passeios para público conhecer bastidores e história

Visitantes percorrem dois dos maiores auditórios e conhecem a história e bastidores do teatro

Pode ser feito durante o ano, em qualquer horário e é gratuito. Este é o passeio guiado oferecido ao público pelo Centro Cultural Teatro Guaíra às instalações do prédio central. As visitas devem ser agendadas.
De segunda a sexta, o setor de preservação e memória recebe grupos de estudantes, arquitetos e turistas para visitas que duram cerca de uma hora. O trajeto começa pelo segundo balcão do auditório Bento Munhoz da Rocha Netto (Guairão), com a história de criação do Centro Cultural Teatro Guaíra. São apresentadas referências histórias, arquitetônicas e artísticas como do painel do artista paranaense Poty Lazzarotto, que está no frontão da entrada do Guairão. Em algumas visitas pode-se ver outra obra do artista, que é a pintura na cortina corta-fogo, que isola o palco do Guairão da plateia, mas nem sempre esta cortina está abaixada.
O passeio continua pela plateia, palco e coxias do Guairão e, em seguida, os visitantes são guiados para o auditório Salvador de Ferrante (Guairinha). Durante o trajeto é apresentada a composição artística do CCTG, que são os corpos estáveis, e que inclui a Orquestra Sinfônica do Paraná, Balé Teatro Guaíra, Escola de Dança Teatro Guaíra e G2 Cia de Dança. Estes grupos apresentam ao longo do ano concertos, balés e óperas e, para isto, são necessários figurinos e cenários, também feitos dentro do CCTG.
Há ainda montagens pontuais como as do Teatro de Comédia do Paraná e Festival de Bonecos, cujas produções também são feitas na casa.
Em caso de grupos menores e de possibilidade de atendimento, a visita é estendida ao guarda-roupa do CCTG que reúne cerca de 30 mil peças (figurinos de balé, de ópera e peças para empréstimos).
O agendamento das visitas deve ser feito pelo email diart@cctg.pr.gov.br

Histórico - Em 1939 o Theatro Guayrá (onde hoje é a Biblioteca Pública do Paraná) foi demolido e, ao mesmo tempo, começou a campanha pela construção de um teatro oficial na cidade, liderada pela Academia Paranaense de Letras.
O projeto para a construção do teatro é escolhido no final dos anos 40 e a construção iniciada em 1952. Nesta década, o Paraná experimenta o apogeu da economia do mate e na região norte o início da expansão cafeeira a partir do estado de São Paulo.
A economia em expansão aliada a um contexto político favorável, como foi o governo de Bento Munhoz da Rocha Netto, contribuíram para que a década de 50 seja para Curitiba um período de expressiva evolução cultural.
Além do Teatro Guaíra são idealizados outros tantos projetos, como a Biblioteca Pública do Paraná e o Centro Cívico.
O projeto arquitetônico do atual Centro Cultural Teatro Guaíra é do engenheiro Rubens Meister (1922 – 2009), um dos precursores da arquitetura moderna no Paraná e um dos responsáveis pela implantação do curso de Arquitetura na UFPR, em 1962.
Meister é também autor de prédios importantes como o Panteão dos Heróis da Lapa (1943), o auditório da Reitoria UFPR (1956), o Centro Politécnico (1956), o edifício Barão do Rio Branco (1958), a Prefeitura Municipal de Curitiba (1969), a Estação Rodoferroviária de Curitiba (1976), o Centro de Atividades do Sesc da Esquina (1985) e a restauração do Palácio Avenida (1990).
A construção do Teatro Guaíra é iniciada em 1952 e em 1954 é inaugurado o primeiro de três auditórios que compõem o edifício: o auditório Salvador de Ferrante (Guairinha), onde em 1955 começam as apresentações dos espetáculos.
O auditório Bento Munhoz da Rocha Netto (Guairão), cuja inauguração estava prevista para 1971, é inaugurado em dezembro de 1974, depois de ser reconstruído após um incêndio em abril de 1970, que o deixou substancialmente destruído.
Em 28 de agosto de 1975 é inaugurado o último auditório, o Glauco Flores de Sá Brito (Mini), completando o projeto do complexo cultural. O espaço total dos auditórios passa a ser de 16.900 metros quadrados, com uma capacidade total de 2.757 lugares.